Prefeitura Belford Roxo: Patrulha Maria da Penha completa mil atendimentos em Belford Roxo

Patrulha Maria da Penha completa mil atendimentos em Belford Roxo

No ritmo das comemorações do 13º aniversário da lei brasileira que combate à violência contra as mulheres (Lei Maria da Penha), a Secretaria de Segurança Pública e Mobilidade Urbana de Belford Roxo, festeja a marca de mil atendimentos feitos através da Patrulha Maria da Penha. Criada há um ano e meio pelo Departamento de Projetos Especiais da Guarda Municipal, a patrulha tem circulado na cidade, realizando palestras, combatendo todas as formas de violência e fazendo valer o beabá da lei. Em maio deste ano, o projeto ganhou o prêmio de Melhor Projeto da Baixada Fluminense (Personalidade Que Faz A Diferença) concedido pela Secretaria de Cultura, Direitos Humanos e Igualdade Racial em parceria com a Superintendência da Mulher de Prefeitura de São João de Meriti.

À frente da patrulha, desde o lançamento do projeto, as agentes da Guarda Municipal, Erika Viana, 31 e Roseane Pereira, 33, já vivenciaram histórias suficientes para escrever um livro A dupla atende chamadas que podem ser feitas pelo número de telefone 153 (Sistema de Registro de Ocorrências Informatizado) da Guarda Municipal. O patrulhamento é realizado por elas e agentes masculino fazem o reforço quando há resistência.

O trabalho é preventivo e de orientação. Os casos de violência física são encaminhados para a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam). “A Prefeitura tem uma rede de proteção, que é formado por lugares onde há acompanhamento psicológico e social, como o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceambel). Sempre orientamos as vítimas a procurarem por esses lugares. A maioria não sabe onde recorrer e com orientação fica mais fácil”, declara Erika, que é casada e mãe de um filho de 15 anos.

Palestras e prevenção

Diariamente elas são vistas pregando a lei pelo município. As palestras acontecem para homens, mulheres, crianças e adolescentes. Como forma de prevenção, as agentes da guarda comparecem em igrejas, escolas municipais, estaduais, no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e onde forem solicitadas. “Sempre no final das palestras é diagnosticado um caso de violência, através de relatos de vítimas encorajadas pela informação. O gratificante é que encaminhamos para solução junto aos setores competentes. Nossa arma é o conhecimento”, assegura Erika.

Formadas em Administração, Erika e Roseane destacaram que a violência contra a mulher não se caracteriza apenas por agressões físicas e sexuais. “Há muitos outros tipos de violência. A moral, a psicológica e a patrimonial também são formas de violência e estão previstas na Lei Maria da Penha”, avisa Roseane. Ao lado das agentes, o Comandante da Guarda Municipal, Fábio Márcio Tavares Souza, revelou ter presenciado violência em sua casa, durante a infância. “Minha mãe foi vítima do meu pai por muitos anos. Eu presenciei isso. Imagino quantos alunos passam por isso também. Por isso, levar a informação nas escolas é importante demais”, afirma.

Satisfeito com o desempenho da Guarda Municipal, o secretário de Segurança Pública e Mobilidade Urbana, João Sant’anna Junior fez elogios ao projeto. “Muitas mulheres não têm conhecimento sobre o que existe legalmente a seu favor. A Patrulha Maria da Penha, de uma maneira interessante, leva as informações em vários segmentos sociais, desenvolvendo um trabalho de grande valia. O município avança muito com isso por ter um prefeito, como o Waguinho (Wagner Carneiro) preocupado em desenvolver políticas públicas a população”, disse.

Prefeitura de Belford Roxo



Leia no Site Oficial da Prefeitura de Belford Roxo